1 de julho de 2013

Menos açúcar e mais amor

Ponha mais amor, cuidado e atenção nas refeições e menos açúcar.
Imagem sem referência


Diariamente convivo com amigos e pessoas muito próximas que estão enfrentando problemas devido a comida, principalmente em relação aos doces, chocolates, açúcares. Tem gente com sobrepeso que começa a ameaçar a saúde, tem gente que ficou diabética e por aí vai... Para essas pessoas é muito difícil dizer não para o açúcar e levar a dieta restritiva adiante. Algumas começam e vão cedendo aos poucos, até perder o controle totalmente. Outras nem começam porque acreditam que não vão mesmo conseguir. Essa batalha é difícil porque envolve hábitos sociais, história cultural alimentar, convívio, consciência e auto-controle.

Decidi escrever sobre esse assunto delicado, porque adoro essas pessoas e quero vê-las bem. Não vou escrever para essas pessoas, mas para os amigos delas. Para os parentes delas. Para os colegas de trabalho e aqueles que convivem com essas pessoas. Aposto que você também tem amigos nessa situação. O que mais me incomoda é que, muitas vezes, essas pessoas não são levadas a sério, os amigos e a família nem sempre as ajudam a enfrentar o problema e buscar um caminho. Acham que comer só um pouquinho não faz mal e sequer se aprofundam no entedimento do problema. Insisto: Não se trata de querer vê-las magras, e sim saudáveis. Meu pai ficou diabético há mais de dez anos, e vi algumas das muitas complicações de saúde que o açúcar pode acarretar na vida de uma pessoa. Por isso, eu vou falar.

  • Se você tem um amigo, parente, colega de trabalho, marido, esposa ou namorada, namorado, vizinho ou professor com problemas relacionados ao açúcar, ajude. É mais simples do que você pensa. Não ofereça balas, bombons, docinhos, biscoitinhos com aquele sorriso de que "não faz mal, come só um!", porque faz mal sim. 

  • Se você é a pessoa responsável pelas compras de supermercado da sua casa, faça cortes nos bolos, pães, biscoitos, refrigerantes e tudo que contém a tentação mais difícil de ser evitada para quem está viciado em açúcar, mas tem dificuldades de recusar. Quando não se tem a comida no armário da cozinha fica mais fácil respeitar a dieta. 

  • Se você ama as pessoas verdadeiramente talvez tenha que se privar também. Deixar para comer o seu bombom depois, quando a pessoa não estiver por perto, por exemplo. Optar por uma sobremesa saudável ao invés de uma cheia de açúcar. Prive-se um pouco tendo em mente que 1) quem ama cuida; 2) antes privar-se de uma torta mousse do que da convivência longa e saudável com quem você ama, 3) você estará fazendo um bem também a você mesmo. 

  • Entenda que presentear essas pessoas com chocolates é o mesmo que presentear um alcóolatra com uma garrafa de vinho. Uma taça pode não fazer mal para você mas, para quem sofre o vício, pode ser fatal pois não será apenas uma taça, será a garrafa inteira. Com a caixa de bombom será a mesma coisa. 

  • Às vezes, a pessoa que tem problemas com o açúcar está há duas semanas vitoriosamente resistindo, daí você insiste para ela comer só um pedacinho do seu bolo de aniversário e mais dois brigadeirinhos com um copinho de coca-cola. A gente emprega o diminutivo e ainda faz cara de coitado para o amigo se render. Constragimento + Vício faz ele aceitar e comer o que não pode, não só porque é irresistível mas também para agradar, para pertencer, para não destoar. Daí a gente fica feliz porque ele cedeu. Isso é amizade? De verdade?


Parece exagero? Então busque conversar com quem tem desequilíbrio nas taxas do sangue, com quem é diabético há mais de dez anos, com quem sofre os efeitos do sobrepeso, de crises de desequilíbrio no açúcar e suas complicações a longo prazo. Converse com os familiares que verdadeiramente acompanham e cuidam dessas pessoas. Você descobrirá que é mais sério do que imaginamos ou do que a propaganda dos alimentos industrializados nos informa. 

Eu sei que é difícil, pois me privo muito mais do que preciso diariamente para colaborar com as pessoas que amo e com as quais convivo. E quer saber? Pouco a pouco fui me acostumando a viver com menos açúcar, e não me tornei amarga, infeliz nem neurótica por causa disso. 

Existe um mito em torno do açúcar e sobretudo do chocolate, de que eles trazem felicidade e alegria para a vida das pessoas, mas é só um mito. Não existe nada de mágico em comida ou bebida alguma que seja maior do que o nosso amor pelas pessoas e o nosso cuidado com elas. 



Um comentário:

  1. Nossa!!! Que post maravilhoso tudo a ver rsrsr, há 02 anos atrás estava estupidamente enorme e tomei a decisão por mim mesma sozinha, por que? Por que é uma decisão que tem que ser exclusivamente sua por que todo mundo te olha até tenta te alertar mais você não entende e dai comecei com uma batalha, chamo de batalha por que não é nada fácil você começar uma dieta, mais graças a Deus tenho uma família linda maravilhosa que é meu pedestal e me ajudou muito....E hoje me encontro com 23 quilos a menos e brigo sempre com a balança afim de não ganhar mais nada de volta, esse post me fez viajar agora pensando no quando foi difícil eu começar e hoje toda minha família vivemos disso de saúde muita saúde, claro que comemos, bebemos mais nada mais abundantemente para não ver os piores resultados depois, não só esteticamente mais na saúde, Bjus... Uma semana abençoada pra você.

    ResponderExcluir

Deixe o seu comentário, opinião, dúvida, sugestão ou crítica. Seja educado e será lido com toda a minha atenção. Utilize esse espaço para se comunicar, interagir e trocar experiências com a autora do blog.