20 de junho de 2010

Carta


E agora José? Como é que vai ser sem você?

Você que, tantas vezes, me içou de minha miséria, de minha vulgaridade, minha banalidade, minha ignorância, através destes ganchos enormes que eram teus contos e parábolas.

Você que, como poucos, me enchia de espanto diante da beleza e perfeição, com tuas construções únicas, que eram e serão para sempre só tuas.

E agora José?

Logo você em quem eu confiava às cegas, sem jamais me preocupar se teu conteúdo era oportunista, ou vendido, ou desgraçado. Porque você José, nunca se perdeu na palavra. Era tiro certeiro.

E quando o mundo parecia vazio de sentido, você José, enchia de estórias, de falas, de sabedoria, de ironia, de lugares, me fazendo acordar desse sono profundo a que caímos a todo instante.

Eu sei que tudo isso é egoísmo de minha parte, pois não estou a lamentar tua retirada pelo que você ainda tinha de viver ou de sorrir, ou de chorar, e amar. Choro teu silêncio, teu papel em branco, tuas mãos que já não tremem no frêmito da escrita, tua mudez. Choro porque sei que, a partir dessa noite, meu mundo ficou menor.

E agora José?

De que adianta os fatos do mundo se já não há quem os leia com perspicácia e os conte com tua beleza sem pontos e quase a nos roubar o fôlego?

Já lá se iam mais de dez anos, José. E agora que tua história repousava na minha cabeceira, de luz amarela e fraca, me encantando ainda mais que tuas estórias, a me embalar o sono e me fazendo acreditar que quase tudo é possível, logo agora vem você com esse ponto final enorme.

E agora José?

Todo mundo vai falar, vai escrever, vai publicar. Não me interessa. Não é você por trás das palavras e a frente do pensamento.

Depois de você, José, o ano se acabou. Vou encerrar as esperanças, fechar os ferrolhos das janelas e fazer silêncio. Vou dar tempo ao tempo.
Um dia, que eu espero não estar muito longe, haverei de acordar e ver o sol da manhã, quente se derramando pelo chão, cheio de mistério. Daí vou lembrar de ti e pensarei: Vamos em frente.

3 comentários:

  1. Nossa... que texto lindo... acho que agora, José deixou sementes e mentes que brilham de uma forma diferente só por causa das suas palavras... E parece que ele plantou uma semente em você. Adorei o texto, a sonoridade e as emoções!
    Bom domingo!
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Fico contente por encontrar mais alguém que goste de Saramago. Para mim, o melhor escritor dos ultimos tempos e por muitos a seguir. Qual o livro que mais gosta?

    ResponderExcluir
  3. ...adoro Saramago. "A Caverna" é um dos três livros mais incríveis q já li na vida.

    ResponderExcluir

Deixe o seu comentário, opinião, dúvida, sugestão ou crítica. Seja educado e será lido com toda a minha atenção. Utilize esse espaço para se comunicar, interagir e trocar experiências com a autora do blog.